Conteúdo tóxico e como lidamos com ele



Dia desses estava assistindo aos stories de algumas pessoas que eu sigo. Meu namorado estava ao meu lado vendo seus vídeos preferidos no Youtube. Até que ele escutou uma influenciadora respondendo a uma curiosidade de um seguidor. A pergunta dele era para saber se ela havia feito preenchimento labial. Ouvindo isso, meu namorado disse algo que me fez refletir muito:

Porque você quer saber se alguém colocou preenchimento labial? Acho esse tipo de conteúdo tóxico.

Bom, no momento apenas disse que cada um consome o que gosta. Ele ama ver pegadinhas no Youtube, eu não. Eu gosto de acompanhar influenciadores no Instagram, ele não. No entanto, depois disso algumas fichas caíram dentro de mim.

"Quando consumir conteúdo na internet deixou de ser um passatempo e tornou-se tóxico para a nossa saúde mental?"

 

Pois é, esse questionamento doeu sobretudo por ter tocado em uma ferida que eu estou tentando há meses curar. Falarei sobre ela mais a frente, agora preciso falar sobre o próximo tópico.

Como lidamos com exposições excessivas

Compartilhar a vida na internet, sobretudo no Instagram, é mais comum do que deveríamos fazer. Na era digital, tudo é compartilhado. São pouquíssimas pessoas que conseguem traçar limites saudáveis entre viver o momento puramente e compartilhá-lo nas redes sociais.

Será mesmo que devemos responder a perguntas sobre colocar preenchimento labial ou questionamentos similares? Será mesmo que devemos consumir esse tipo de conteúdo? Tudo me leva a crer que não estamos tendo controle sobre o que é ou não saudável para a nossa vida.

Na era dos influenciadores digitais, fazer um reality show da nossa própria vida tem se tornado uma questão problemática e pouquíssimas pessoas estão sabendo lidar com esta situação.

Estamos tornando um comportamento tóxico em algo normal. O que choca ainda mais é o quanto essa indústria tem incentivado decisões precipitadas. Quem é o adolêscente que não quer se tornar um influenciador? Quem é a mulher que não decidiu fazer uma Lipo Lad após acompanhar a evolução de várias outras no Instagram? Pior, qual é a criança que, aos seus quatro, cinco, seis anos de idade já não está tomada pelo vício de passar horas do seu dia assistindo vídeos no Youtube?

A verdade é que a sociedade em si não está sabendo lidar com todo o avanço da internet.  Temos vivenciado exposições excessivas nas redes sociais e achamos tudo isso normal. O que precisamos mesmo é colocar limites, principalmente quando identificamos que nossa saúde mental está ficando comprometida.

Limites brandos não estão tendo resultados

Há um tempo estou tentando reduzir meu consumo de redes sociais. Identifiquei que eu sou viciada nestes aplicativos e estou assumindo isso publicamente, o que me deixa completamente envergonhada e vulnerável. Este problema afeta meu rendimento profissional e me causa ansiedade quase todos os dias.

Comecei tirando o Facebook da minha vida há cerca de dois anos e meio atrás. Costumava passar boa parte do meu dia naquele aplicativo. Interagia em discussões que perturbavam minha paz de espírito e aquilo não estava saudável. Apaguei o aplicativo do meu celular. Os primeiros dias foram terríveis. No entanto, à medida que as semanas iam passando, foi se tornando mais fácil não ter acesso a ele. Hoje, mal consigo ficar por lá mais de 15 minutos.

Atualmente luto para ter menos acesso ao Instagram. Esse tem sido um desafio grandioso, uma vez que parte do meu trabalho envolve esta ferramenta. No início do ano coloquei um limite de horário no meu celular para que não tivesse acesso a alguns aplicativos. No começo, reduzi para quatro horas por dia. Depois apenas para uma e eu estava indo bem, é verdade.

No entanto, com a opção de estender esse limite toda vez que o lembrete chegava na tela do meu celular, eu fazia a pior escolha. Estendia por mais uma hora e depois por mais uma e por fim, para o dia todo. O limite de tempo ainda existe, apenas porque todos os dias me esqueço de mudá-lo nas configurações. No entanto, há mais de um mês que eu não o obedeço.

A solução que eu não quero encarar

Já tem um tempo que sei exatamente o que devo fazer para resolver o meu problema, mas tenho lutado contra essa decisão. Não é fácil para mim deixar de acompanhar diariamente os stories das pessoas que sigo. Porém, preciso encarar a realidade.

Assim como meu namorado disse, isso tem se tornado tóxico para a minha vida. E eu preciso mesmo escolher entre a minha saúde mental e aquilo que me afeta negativamente. Escolho a primeira opção, portanto em breve tirarei meu tempo sabático do Instagram. 

You Might Also Like

0 comentários